A Mulher do Oficial Nazi

Edith Hahn Beer (Autor) Lançamento a 16 março 2018 Edição em Português
    A Mulher do Oficial Nazi_0
    A Mulher do Oficial Nazi
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento 16/03/2018
      Editor Alma dos Livros

      Ver todas as características

    • Aqueles que não testemunharam do Holocausto, às vezes, têm dificuldade em perceber o quão profundamente isso afetou a vida na Europa durante os decénios de 30 e 40 do século XX.
      À medida que a Alemanha nazi estendia os tentáculos a todo o continente, populações inteiras foram despojadas, deslocadas e destruídas. Edith Hahn Beer levava uma vida normal em Viena, no seio de uma família judia. Fora uma adolescente popular e tornara-se uma estudante de Direito extremamente bem-sucedida. Estava envolvida nos grandes debates...
      Ver mais

    • 17,45 €
      12,22 €

      Apenas 2 em stock

      Recebe numa morada a partir de 2,50 €

      Em loja

      Levantamento gratuito

      Ver disponibilidade em loja

      Ver todas as opções e detalhes de entrega
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    1 oferta especial A Mulher do Oficial Nazi

    • PROMOÇÃO ADERENTE
    PROMOÇÃO ADERENTE FNAC: Até 50% Desconto Imediato numa seleção de Livros. Seleção Exclusiva Online (artigo com desconto Exclusivo Online).
    Promoção válida de 3 fevereiro a 1 março 2020 em todas as lojas Fnac.
    Aplicável nos artigos assinalados e vendidos pela Fnac (exclui Marketplace e eBooks).
    Limitado ao stock existente, não acumulável com outras promoções nem com os descontos habituais em Cartão Fnac.
    Consulta aqui a seleção.

    Mais Informações A Mulher do Oficial Nazi

    Aqueles que não testemunharam do Holocausto, às vezes, têm dificuldade em perceber o quão profundamente isso afetou a vida na Europa durante os decénios de 30 e 40 do século XX.
    À medida que a Alemanha nazi estendia os tentáculos a todo o continente, populações inteiras foram despojadas, deslocadas e destruídas. Edith Hahn Beer levava uma vida normal em Viena, no seio de uma família judia. Fora uma adolescente popular e tornara-se uma estudante de Direito extremamente bem-sucedida. Estava envolvida nos grandes debates políticos da época. Estava apaixonada. O seu futuro desenrolava-se à sua frente como uma passadeira vermelha. E, de repente, tudo terminou.

    Quando Hitler invadiu a Áustria em 1938, Edith ficou sem futuro. No coração da Alemanha nazi, escondendo a sua identidade em casa e no trabalho, Edith viveu com o medo constante de ser descoberta. Foi ali que conheceu Werner – destacado membro do Partido Nazi –, que se apaixonou por ela e a pediu em casamento, mantendo a sua identidade em segredo. A filha de ambos viria a ser considerada a única judia a nascer num hospital do Reich em 1944. Alguns anos depois, a Alemanha foi derrotada e Edith continuava viva. Sobreviveu quando milhões de judeus foram exterminados. Este livro conta a história de como esta mulher conseguiu manter o seu disfarce e de como, graças a uma sorte aleatória e à intervenção de algumas pessoas boas, foi diversas vezes resgatada da morte.

    "A Mulher do Oficial Nazi" podia ser outro livro sobre o Holocausto e a Segunda Guerra Mundial, o que já seria notável. Mas é, além disso, um relato verdadeiro, dramático e emocionante de uma mulher extraordinária que sobreviveu ao maior genocídio da história da Humanidade, sem pretender ser corajosa, famosa ou lembrada. Ela apenas quis sobreviver.

    Características detalhadasA Mulher do Oficial Nazi

    • Autor Edith Hahn Beer
    • Editor Alma dos Livros
    • Data de lançamento 16/03/2018
    • EAN 978-9899993358
    • ISBN 9789899993358
    • Dimensões 15,5 x 23,5 cm
    • Nº Páginas 256
    • Encadernação Capa mole

    OUTRAS OBRAS de Edith Hahn Beer

    OPINIÕES DOS NOSSOS CLIENTES A Mulher do Oficial Nazi

    Condições de Utilização
    4/5
    • 1
      0
    • 2
      0
    • 3
      0
    • 4
      1
    • 5
      0
    4 Recomendo! Publicado em 03 ago 2019

    Livros sobre o Holocausto fazem parte das minhas leituras ano após ano e por mais incrível que pareça nunca me canso deles e, com isso, compreendo melhor este lado escuro da história nazi. Este trata-se de uma história verídica, a vida de Edith Hahn Beer, uma rapariga judia vienense, estudante de Direito, que fez tudo o que pôde para sobreviver. A sorte esteve do seu lado ao colocá-la perto de algumas pessoas amigas que conheceu e que arriscaram as suas vidas em momentos dramáticos da sua. A viagem de Edith passa por campos de trabalho agrícola onde era tratada como escrava; pela clandestinidade, assumindo a identidade de uma amiga, não judia, o que salvou a sua vida, até ao namoro e casamento com um oficial nazi que, mesmo sabendo a verdade, não a denunciou. Viveu como “u-boat” ("submarino"), uma sobrevivente que se conseguiu salvar escondida dentro da nação nazi. A vida no pós-guerra, também, nāo lhe foi fácil. Com uma criança nos braços teve de fazer escolhas e sobreviver. A sua luta ainda nāo tinha terminado. Muitos anos volvidos ela conta a sua história, “Deixámos o passado flutuar para longe, como destroços no mar, na esperança de que acabasse por se afundar e sair da memória”. No livro existe a referência a Thomas Mann, prémio Nobel que escreveu o célebre “A Montanha Mágica”, entre outros. Conta Edith que, quando teve coragem de retirar a peça do rádio que impedia de sintonizar outras frequências, nomeadamente a BBC, uma das vozes que ouviu foi a do escritor alertando para a existência dos campos de extermínio que muitos consideravam somente campos de trabalho forçado. Caiu-lhe o mundo em cima. A esperança que a sua mãe tivesse sobrevivido ruiu… Nota, ainda, para a referência sobre o memorial do Holocausto em Israel, Yad Vashem, (que eu desconhecia!) onde foram plantadas árvores e afixadas placas, em nome e com o nome, de algumas pessoas que, contra todo o ambiente anti-semita que se vivia, ajudaram e esconderam judeus (os denominados “Justos entre os justos”).


     Este comentário foi útil?

    Ver também