Byung-Chul Han

"As coisas tornam-se transparentes quando abandonam toda a negatividade, quando se alisam e aplanam, quando se inserem sem resistência na corrente lisa do capital, da comunicação e da informação." In A Sociedade da Transparência

Byung-Chul Han...
Ler Biografia
Byung-Chul Han

"As coisas tornam-se transparentes quando abandonam toda a negatividade, quando se alisam e aplanam, quando se inserem sem resistência na corrente lisa do capital, da comunicação e da informação." In A Sociedade da Transparência



Byung-Chul Han nasceu em Seul em 1959. Estudou metalurgia na Coreia antes de se mudar para a Alemanha nos anos 80 para estudar filosofia na Universidade de Freiburg e Literatura Alemã e Teologia na Universidade de Munique. Em 1994, fez o doutoramento em Freiburg com uma tese sobre Martin Heidegger. Atualmente é Professor de Filosofia e Estudos Culturais na Universidade de Berlim.

Em 2000, entrou para o Departamento de Filosofia da Universidade de Basel. Em 2010 tornou-se docente da HfG Karlsruhe, onde as suas áreas de interesse foram a filosofia dos séculos XVIII, XIX e XX, ética, filosofia social, fenomenologia, teoria cultural, estética, religião, teoria dos média e filosofia intercultural. A partir de 2012 passou a lecionar filosofia e estudos culturais na Universität der Künste Berlin (UdK), onde dirige o recentemente criado programa de estudos gerais Studium Generale.

Han é autor de diversas obras, sendo que as mais recentes são tratados sobre aquilo a que ele chama a "sociedade do cansaço" e a "sociedade da transparência". O trabalho mais recente de Byung-Chul Han foca-se na transparência como uma norma cultural criada por forças do mercado neoliberal, que ele compreende como sendo a motivação insaciável em direcção à revelação voluntária, que rasa o pornográfico. De acordo com Byung-Chul Han, os ditames da transparência obrigam a um sistema totalitário de abertura sacrificando outros valores sociais como a vergonha, o segredo e a confiança.

Até há pouco tempo, recusava-se a dar entrevistas na rádio e na televisão e raramente divulga publicamente quaisquer informações biográficas ou pessoais, incluindo a sua data de nascimento.

Byung-Chul Han já escreveu sobre tópicos como o défice de atenção e hiperactividade, borderline, a síndrome de burnout, depressão, exaustão, internet, amor, cultura pop, poder, racionalidade, religião, os média, subjectividade, cansaço, transparência e a violência.