Crónicas Quase Marcianas

Eduardo Lourenço (Autor) LOURENCO, EDUARDO (Autor) Lançado em maio de 2016 Edição em Português
    Crónicas Quase Marcianas_0
    Crónicas Quase Marcianas
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento maio 2016
      Editor Gradiva
      Coleção Obras de Eduardo Lourenço

      Ver todas as características

    • A colecção «Obras de Eduardo Lourenço», da Gradiva, é enriquecida com um novo título de Eduardo Lourenço, um dos principais pensadores contemporâneos. Em causa está uma colectânea de crónicas (que foram sendo originalmente publicadas na Visão) de enorme actualidade em que o autor reflecte sobre o Portugal e o mundo dos últimos anos, com a ironia e o humor que lhe são habituais. Apresentando uma análise acutilante, esta nova obra dirige-se a um público vasto, com um registo ao mesmo tempo interessante e acessível. «A América... Ver mais

    • Vendido pela Fnac  10,80 €
    • 1 novo desde 130,48 €  
    • Todas as ofertas
      • 130,48 € Custos de envio +14,99 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        CulturaBrasil
        (2424)
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    Descrição Crónicas Quase Marcianas

    A colecção «Obras de Eduardo Lourenço», da Gradiva, é enriquecida com um novo título de Eduardo Lourenço, um dos principais pensadores contemporâneos. Em causa está uma colectânea de crónicas (que foram sendo originalmente publicadas na Visão) de enorme actualidade em que o autor reflecte sobre o Portugal e o mundo dos últimos anos, com a ironia e o humor que lhe são habituais. Apresentando uma análise acutilante, esta nova obra dirige-se a um público vasto, com um registo ao mesmo tempo interessante e acessível. «A América que está ou tem tendência — mormente sob o ponto de vista tecnológico a estar em toda a parte e a intervir cada vez mais abertamente no destino do planeta como um todo, não só presume das suas forças como não pode levar a cabo a sua ‘missão’ providencial sem o consentimento implícito e o apoio da Europa, por mais subalternizada que esteja ou pareça. Vendo bem, esta América tão fora dela e tão dominadora do mundo não está certa de um futuro tão ‘americano’, como agora o imagina e nós europeus temos tendência a crer, hipnotizados pelo exemplo dos exemplos, o do Império Romano.»

    Características detalhadasCrónicas Quase Marcianas

    OUTRAS OBRAS de Eduardo Lourenço

    Ver também