Do Cérebro de Lenine à Proteína Suicida

Luis Bigotte de Almeida (Autor) Heróis e Vilões do Sistema Nervoso Edição em Português
    • Do Cérebro de Lenine à Proteína Suicida_0
    Do Cérebro de Lenine à Proteína Suicida

    Venda o seu Do Cérebro de Lenine à Proteína Suicida com apenas alguns cliques,
    em fnac.pt

    1. Vende o teu produto
    2. Um cliente compra o teu produto
    3. Envia o teu produto
    4. Recebe o pagamento
    Passar para conta Pro!
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Editor Gradiva

      Ver todas as características

    • Será o coração ou o cérebro a sede do pensamento? Os ventrículos cerebrais lançam humores ou espíritos para os nervos? O córtex cerebral é apenas uma estrutura de revestimento? A procura de resposta a estas e outras perguntas perde-se nos séculos. Uma interpretação puramente filosófica da função nervosa, com ideias mágicas ou prodigiosas, foi dando lugar à sua avaliação à luz dos princípios das ciências naturais. A evolução das Neurociências confunde-se com a história das preocupações essenciais do Homem. Artistas... Ver mais

    • 17,16 €
      15,44 €

      Encomenda ao editor, expedido em 2 a 4 dias

      Entrega gratuita

      Em loja

      Levantamento gratuito

      Ver disponibilidade em loja

      Ver todas as opções e detalhes de entrega
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    1 oferta especial Do Cérebro de Lenine à Proteína Suicida

    • Vantagem Aderente: 10% Desconto imediato
    10% desconto imediato em livros
    O Cartão Fnac dá-te 10% desconto imediato sobre o preço de editor, não acumulável com outras promoções.

    Mais Informações Do Cérebro de Lenine à Proteína Suicida

    Será o coração ou o cérebro a sede do pensamento? Os ventrículos cerebrais lançam humores ou espíritos para os nervos? O córtex cerebral é apenas uma estrutura de revestimento? A procura de resposta a estas e outras perguntas perde-se nos séculos. Uma interpretação puramente filosófica da função nervosa, com ideias mágicas ou prodigiosas, foi dando lugar à sua avaliação à luz dos princípios das ciências naturais. A evolução das Neurociências confunde-se com a história das preocupações essenciais do Homem.

    Artistas renascentistas como Leonardo da Vinci ou Andreas Vesalius dissecaram o corpo humano para estudar a anatomia e os seus desenhos revelam já diversos pormenores neuroanatómicos. Admitido enfim o cérebrocentrismo da mente, outra controvérsia se iria prolongar até ao século XX. A visão holista da actividade do cérebro opôs-se ao conceito de localização das funções mentais. Deste localizacionismo surgiria o exagero frenologista, em que se acreditava ser possível identificar características individuais como o génio, o amor ao próximo, a vaidade ou até a tendência para o crime, pelo maior desenvolvimento de regiões do crânio e do encéfalo subjacente, onde essas qualidades se situariam.

    Durante décadas pesquisaram-se fervorosamente os componentes celulares do sistema nervoso na senda de uma explicação para o seu funcionamento normal e anómalo. Nos séculos XVIII e XIX, as experiências neurofisiológicas vieram ampliar os resultados da investigação microscópica.

    O famoso líder soviético Lenine foi, também ele, envolvido a título póstumo neste enorme interesse pelo substrato orgânico do pensamento. O seu cérebro, seccionado em milhares de lâminas, foi extensamente analisado ao microscópio, em busca das marcas celulares do seu génio.

    As convulsões sócio-políticas da Europa do século XX causaram um êxodo de neurocientistas para o Novo Mundo. O desenvolvimento tecnológico permitiu então progredir nos ambientes sub-celular e molecular do sistema nervoso, de forma a desvendar novos mecanismos de doença como as citopatias mitocondriais, as canalopatias, as taupatias ou as infecções a priões.

    Esta é uma história breve de vários séculos e de centenas de heróis que ao longo de gerações foram investigando os mais recônditos meandros do sistema nervoso, até conseguirem desmascarar as suas entidades patológicas como se de verdadeiros vilões se tratasse.

    Características detalhadasDo Cérebro de Lenine à Proteína Suicida

    OUTRAS OBRAS de Luis Bigotte de Almeida

    OPINIÕES DOS NOSSOS CLIENTES Do Cérebro de Lenine à Proteína Suicida

    Condições de Utilização

    Ver também