Ensaios de Doutrina Crítica

T. S. Eliot (Autor) Lançado em janeiro de 1998 Edição em Português
    Ensaios de Doutrina Crítica_0
    Ensaios de Doutrina Crítica
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento janeiro 1998
      Editor Guimarães
      Coleção Filosofia & Ensaios
    • Ao contrário de tantos dos seus contemporâneos, como Huxley, por exemplo, Eliot não renunciou; ao contrário de Lawrence, para Eliot a vida não é apenas o que o instinto rege; ao contrário de Joyce e de Virgínia Woolf, Eliot não crê na solidão essencial do homem. Por isso ele, transcendendo as fronteiras iniciais, vem a não temer a acção, por saber que: a acção apropriada é a libertação do passado e também do futuro. Eis o que explica não se haver limitado o poeta T.S. Eliot a uma visão lírica do mundo, egoísta e infecunda,... Ver mais

    • Vendido pela FNAC  6,99 €
    • 1 novo em Marketplace desde 6,99 €  
    • Todas as ofertas
      • 6,99 € Custos de envio +4,44 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        Easybook
        (1064)
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • Levantamento
      gratuito em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Devoluções
      gratuitas em loja

    Avaliação da FNAC

    Ao contrário de tantos dos seus contemporâneos, como Huxley, por exemplo, Eliot não renunciou; ao contrário de Lawrence, para Eliot a vida não é apenas o que o instinto rege; ao contrário de Joyce e de Virgínia Woolf, Eliot não crê na solidão essencial do homem. Por isso ele, transcendendo as fronteiras iniciais, vem a não temer a acção, por saber que: a acção apropriada é a libertação do passado e também do futuro. Eis o que explica não se haver limitado o poeta T.S. Eliot a uma visão lírica do mundo, egoísta e infecunda, portanto, e ser ele também o crítico que é, elegendo para alicerces doutrinários a fidelidade a uma tradição dinâmica (por acreditar na perenidade da cultura); o repúdio da “dissociação da sensibilidade”, isto é, da quebra da aliança entre o pensamento e o sentimento (aceitando-se, portanto, “o que em mim sente está pensando” como Fernando Pessoa); o querer a “objectividade” a informar o poema…

    Assim como ele entende que a criação poética implica “um contínuo auto-sacrifício, uma contínua extinção da personalidade”, deverá também o crítico revestir-se de impersonalidade. Mas em assuntos de grande importância o crítico não deve coagir e não deve emitir juízos de melhor e pior. Ele deve apenas elucidar; o leitor, por si próprio, formará o espírito correcto.
    Do Prefácio

    Opiniões dos nossos clientes Ensaios de Doutrina Crítica

    Sê o primeiro a dar
    a tua opinião sobre este produto

    Dar opinião ✔ A tua opinião foi gravada

    Saber tudo sobre

    T. S. Eliot

    T. S. Eliot

    Autor
    Descobre o melhor de T. S. Eliot, todas as suas novidades, artigos relacionados em todos os formatos (albuns, Livros, DVD, etc...).

    Outras obras de T. S. Eliot

    Características detalhadas

    Autor

    T. S. Eliot

    Editor

    Guimarães

    Data de lançamento

    janeiro 1998

    EAN

    978-9726654001

    ISBN

    9789726654001

    Dimensões

    12 x 19 cm

    Nº Páginas

    152

    Encadernação

    Capa Mole