Escravos e Traficantes no Império Português

Arlindo Manuel Caldeira (Autor) Lançado em junho de 2013 Edição em Português
    Escravos e Traficantes no Império Português_0
    Escravos e Traficantes no Império Português
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento junho 2013
      Editor A Esfera dos Livros

      Ver todas as características

    • Corria o ano de 1444. Uma frota algarvia de 6 caravelas chega a Lagos depois uma expedição ao golfo de Arguim (atual Mauritânia). Naquela manhã quente de princípio de Agosto, despertando a curiosidade da população local, desembarcava em Lagos um contingente de 235 escravos africanos. A notícia correra de boca em boca. Todos queriam ver o inusitado espetáculo, até mesmo o poderoso infante D. Henrique, que tinha direito a um quinto dos desembarcados. Não era a primeira vez que chegavam escravos negros a Lagos. Mas nunca... Ver mais

    • 23 € 20,70 €

      Apenas 1 em stock

      Recebe numa morada a partir de 2,50 €

      Em loja

      Levantamento gratuito

      Ver disponibilidade em loja

      Ver todas as opções e detalhes de entrega
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    1 oferta especial Escravos e Traficantes no Império Português

    • PROMOÇÃO PLANO NACIONAL DE LEITURA
    PROMOÇÃO PLANO NACIONAL DE LEITURA:
    10% desconto em livros do Plano Nacional de Leitura.Promoção Exclusiva Online, válida de 1 janeiro a 31 dezembro 2020.
    Limitado ao stock existente, aplicável apenas a artigos vendidos pela Fnac.pt (exclui Marketplace e eBooks) e não acumulável com outras promoções nem com descontos Cartão Fnac.

    Descrição Escravos e Traficantes no Império Português

    Corria o ano de 1444. Uma frota algarvia de 6 caravelas chega a Lagos depois uma expedição ao golfo de Arguim (atual Mauritânia). Naquela manhã quente de princípio de Agosto, despertando a curiosidade da população local, desembarcava em Lagos um contingente de 235 escravos africanos. A notícia correra de boca em boca. Todos queriam ver o inusitado espetáculo, até mesmo o poderoso infante D. Henrique, que tinha direito a um quinto dos desembarcados. Não era a primeira vez que chegavam escravos negros a Lagos. Mas nunca tinham vindo em tão grande número.
    O cronista Gomes Eanes de Zurara relata, de forma comovente, na sua Crónica da Guiné, a partilha dos cativos: homens e mulheres inconsoláveis, rostos lavados em lágrimas, gritando e gemendo, tentando desesperadamente não ser separados dos filhos. De uma forma simbólica, este episódio marca o início do tráfico atlântico de escravos. A partir de 1444 e durante cerca de 180 anos, os portugueses detiveram, quase em exclusivo, o comércio de escravos no Atlântico. Só a partir de 1621, com a criação da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, novos concorrentes chegam em força a este mercado.
    O historiador Arlindo Manuel Caldeira levou a cabo uma exaustiva pesquisa, para traçar neste livro, um retrato abrangente do tráfico de escravos, da sua origem até à sua abolição, no espaço do império português. Um processo complexo que evoluiu ao longo dos séculos, que é aqui analisado desde a compra dos escravizados, em diferentes locais da costa ocidental africana, à difícil travessia do oceano em navios sobrecarregados, nas condições mais deploráveis. É possível acompanhar depois a chegada desses escravos a Lagos e a Lisboa, mas sobretudo aos portos do Brasil, em direcção às minas e às grandes plantações de açúcar, de tabaco e de café, onde constituíram a mão-de-obra quase exclusiva.
    O historiador analisa ainda, com minúcia, as margens de lucro deste negócio e desvenda a biografia de alguns negociantes e das principais famílias que se envolveram no Apesar de em Portugal, o primeiro decreto de restrição do tráfico ter a data de 1761, só em 1842 é que, de forma efetiva, a Coroa portuguesa proclamou o fim da compra e venda de seres humanos e, em 1878, a abolição da escravatura em todo o império português. Para a História fica o poder dos números: entre 1450 e 1860 quase 13 milhões de africanos foram traficados no lucrativo comércio de escravos do Atlântico. Perto de seis milhões desses escravizados foram transportados em navios com a bandeira de Portugal ou do Brasil.

    Características detalhadasEscravos e Traficantes no Império Português

    • Autor Arlindo Manuel Caldeira
    • Editor A Esfera dos Livros
    • Data de lançamento junho 2013
    • EAN 978-9896264789
    • ISBN 9789896264789
    • Dimensões 16 x 23,5 cm
    • Nº Páginas 376 + 16
    • Encadernação Capa mole
    • PNL Idade 15-18 anos
    • PNL Nível de Leitura Leitura Fluente

    OUTRAS OBRAS de Arlindo Manuel Caldeira

    OPINIÕES DOS NOSSOS CLIENTES Escravos e Traficantes no Império Português

    Condições de Utilização
    5/5
    • 1
      0
    • 2
      0
    • 3
      0
    • 4
      0
    • 5
      2
    5 Leitura Essencial ! Publicado em 27 nov 2019

    Uma analise profunda, séria e isenta de uma dos episódios mais tristes da História da Humanidade. Este livro, ajuda-nos a compreender o contexto da escravatura à época, e com isto, a fazer as pazes com esta página da nossa História que preferíamos esquecer. Todos os seres humanos, independentemente da nacionalidade, raça ou credo, deveriam ler este livro para apreender, compreender, evoluir.


     Este comentário foi útil?

    5 Otima obra de referência Publicado em 01 out 2013

    Livro singularmente bem escrito e documentado é um documento valioso sobre o trabalho escravo e o tráfico associado, temas melindrosos no âmbito nacional. De facto, o autor mostra bem que Portugal não foi só a gloria dos descobrimentos e rescreve uma parte da nossa historia. Este livro descreve como 15.milhões de africanos foram transportados da África para a América. Mais de 3 milhões pereceram na viagem. Este foi um crime hediondo cuja responsabilidade cabe em grande parte a Portugal. Aproveito para referir que nunca as autoridades portuguesas apresentaram desculpas oficiais pelas atrocidades cometidas a todos os países africanos que foram afetados por este mercado humano e por este genocídio.


     Este comentário foi útil?

    Ver também