João Inocêncio Camacho de Freitas

João Abel de Freitas (Autor) Governador e Capitão do Porto do Funchal Lançamento a 31 maio 2017 Edição em Português
    João Inocêncio Camacho de Freitas_0
    João Inocêncio Camacho de Freitas
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento 31/05/2017
      Editor Edições Colibri

      Ver todas as características

    • Este é um livro diferente. Incide sobre João Inocêncio Camacho de Freitas, um homem de uma religiosidade profunda que nutria uma grande admiração por Salazar. Sentidamente um adepto do regime ditatorial do Estado Novo.
      Um homem com ideias próprias, específicas e até diferentes e discordantes em algumas matérias de interesse para a Madeira, com relevo para os portos e, em especial, o do Funchal. Não eram, por conseguinte, ideias políticas discordantes, eram de natureza técnica, mas não deixavam de ser discordantes e,...
      Ver mais

    • 14 €
      12,60 €

      Em loja

      Levantamento gratuito

      Ver disponibilidade em loja

      Ver todas as opções e detalhes de entrega
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    1 oferta especial João Inocêncio Camacho de Freitas

    • Vantagem Aderente: 10% Desconto imediato
    10% desconto imediato em livros
    O Cartão Fnac dá-te 10% desconto imediato sobre o preço de editor, não acumulável com outras promoções.

    Mais Informações João Inocêncio Camacho de Freitas

    Este é um livro diferente. Incide sobre João Inocêncio Camacho de Freitas, um homem de uma religiosidade profunda que nutria uma grande admiração por Salazar. Sentidamente um adepto do regime ditatorial do Estado Novo.
    Um homem com ideias próprias, específicas e até diferentes e discordantes em algumas matérias de interesse para a Madeira, com relevo para os portos e, em especial, o do Funchal. 

    Não eram, por conseguinte, ideias políticas discordantes, eram de natureza técnica, mas não deixavam de ser discordantes e, por isso, pouco toleradas.
    Pensava o futuro do porto do Funchal como uma infraestrutura básica e fundamental do desenvolvimento da Ilha.

    E, nesse contexto, avançou propostas que melindraram os poderosos do regime, que olhavam para o porto numa visão míope de simples porto de tráfego de mercadorias ou ainda pior, um investimento (público) para servir os interesses da Empresa Insulana de Navegação.

    Camacho de Freitas tinha uma visão para o desenvolvimento económico da Madeira que destoava e, nela, assentou a defesa das obras do porto que preconizava. 

    Mas, também, em domínios como o da colonia, da cana do açúcar, do aproveitamento das águas e outros, apresentou ideias suas, admitindo ele próprio que essas ideias não convergiam, por exemplo no caso da colonia, com as do Presidente da Junta de Colonização Interna.

    Camacho de Freitas não foi a lado nenhum com essas ideias. Perdeu em todas as frentes, porque não tinha influência bastante e também porque elas chocavam com a matriz de Salazar. Camacho de Freitas tinha ideias desenvolvimentistas. Durante algum tempo, viveu na ilusão de poder obter algum apoio de Salazar. Não percebeu logo o disfarce.

    Ainda, hoje, a Região da Madeira continua a sofrer os efeitos de más decisões acumuladas ao longo dos anos, por exemplo sobre o porto do Funchal.

    Características detalhadasJoão Inocêncio Camacho de Freitas

    OUTRAS OBRAS de João Abel de Freitas

    OPINIÕES DOS NOSSOS CLIENTES João Inocêncio Camacho de Freitas

    Condições de Utilização

    Ver também