O Aroma do Tempo

Byung-Chul Han (Autor) Lançado em fevereiro de 2016 Edição em Português
    O Aroma do Tempo_0
    O Aroma do Tempo
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento fevereiro 2016
      Editor Relógio d'Água
      Coleção Antropos

      Ver todas as características

    • Byung-Chul Han continua neste livro a sua abordagem filosófica de processos marcantes da sociedade atual, neste caso daquilo que considera ser uma crise temporal.
      Segundo o autor germano-coreano, não estamos perante uma aceleração do tempo, mas sim de uma atomização e dispersão temporal, de uma dissincronia. É isso que faz com que qualquer instante pareça igual a outro e não exista nem um ritmo, nem um rumo, que confira significado às nossas vidas.
      Numa constatação que tem que ver com as conceções de Zygmunt Bauman...
      Ver mais

    • Vendido pela Fnac  11,20 €
    • 2 novos desde 13,83 €  
    • Todas as ofertas
      • 13,83 € Custos de envio +2,99 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        Oceanum
        (2081)
      • 131,87 € Custos de envio +14,99 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        CulturaBrasil
        (2212)
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    Descrição O Aroma do Tempo

    Byung-Chul Han continua neste livro a sua abordagem filosófica de processos marcantes da sociedade atual, neste caso daquilo que considera ser uma crise temporal.
    Segundo o autor germano-coreano, não estamos perante uma aceleração do tempo, mas sim de uma atomização e dispersão temporal, de uma dissincronia. É isso que faz com que qualquer instante pareça igual a outro e não exista nem um ritmo, nem um rumo, que confira significado às nossas vidas.
    Numa constatação que tem que ver com as conceções de Zygmunt Bauman sobre a atual «sociedade líquida», Byung-Chul Han diz que tudo é vivido como efémero, sensação essa em que nós próprios estamos incluídos. É assim que a morte surge como um instante mais, prematuro e quase sempre sem sentido.
    Tal como nas suas obras anteriores, de "A Sociedade do Cansaço" até "A Agonia de Eros", aborda as causas dessa evolução e reflete sobre a possibilidade de a inverter. Para o filósofo, o final do tempo como duração narrativa não teria de implicar um vazio temporal. Existe, pelo contrário, agora a possibilidade de uma vida que prescinda da teologia e da teleologia e que apesar disso tenha um aroma próprio. Para isso seria necessário recuperar conceitos de Hannah Arendt, pois a crise temporal só poderá ser ultrapassada quando a vita activa acolher de novo a vita contemplativa.

    Características detalhadasO Aroma do Tempo

    OUTRAS OBRAS de Byung-Chul Han

    Ver também