O Combate do Côa

Gabriel Espirito Santo (Autor) Edição em Português
    O Combate do Côa_0
    O Combate do Côa
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Editor Tribuna da História

      Ver todas as características

    • Quando o marechal Massena, em Julho de 1810, começou a sua invasão de Portugal, encontrou logo pela frente uma formação do exército Anglo-Português de Wellington disposta num esporão de terreno que da fortaleza de Almeida se prolonga para sudeste até às proximidades da aldeia de Junça, com o rio Côa na sua retaguarda. Essa formação apresentava uma inovação táctica para a época, pois era uma divisão inteiramente composta de unidades de infantaria e cavalaria ligeiras, explorando a sua grande mobilidade no terreno, dotada de... Ver mais

    • 1 novo desde 13,92 €  
    • Todas as ofertas
      • 13,92 € Custos de envio +4,44 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        Imosver
        (6910)
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    Descrição O Combate do Côa

    Quando o marechal Massena, em Julho de 1810, começou a sua invasão de Portugal, encontrou logo pela frente uma formação do exército Anglo-Português de Wellington disposta num esporão de terreno que da fortaleza de Almeida se prolonga para sudeste até às proximidades da aldeia de Junça, com o rio Côa na sua retaguarda. Essa formação apresentava uma inovação táctica para a época, pois era uma divisão inteiramente composta de unidades de infantaria e cavalaria ligeiras, explorando a sua grande mobilidade no terreno, dotada de armas de tiro preciso e de longo alcance (carabinas de cano estriado ou rifles), em que a constante descentralização de comando e acção confiava na capacidade de iniciativa e combate individual de sub-unidades treinadas nesse sentido.

    Características detalhadasO Combate do Côa

    Ver também