O Homem que Matou o Escritor

Sérgio Rodrigues (Autor) Lançado em janeiro de 2000 Edição em Português
    O Homem que Matou o Escritor_0
    O Homem que Matou o Escritor
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento janeiro 2000
      Editor Objectiva
      Coleção Ficções letais

      Ver todas as características

    • Como definiu José Roberto Torero, os contos de Sérgio Rodrigues lembram um sanduichão. "São modernos, ligeiros, breves, mas alimentam, misturam ingredientes inesperados e, principalmente, depois dá vontade de comer, digo, ler outro". Como gênero, O homem que matou o escritor poderia ser considerado um híbrido: policial, metalingüístico, drama, comédia e farsa. Sua lógica interna, no entanto, é rigorosa. Fruto de um exercício narrativo elaborado à perfeição, o resultado é requintado. A narrativa brinca com o leitor, levando... Ver mais

    • Vendido pela Fnac  13,81 €
    • 2 novos desde 19,20 €  
    • 15,34 €
      13,81 €

      Encomenda ao editor, entrega em 1 a 2 semanas

      Recebe numa morada a partir de 2,50 €

      Em loja

      Levantamento gratuito

      Ver disponibilidade em loja

      Ver todas as opções e detalhes de entrega
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    1 oferta especial O Homem que Matou o Escritor

    • Vantagem Aderente: 10% Desconto imediato
    10% desconto imediato em livros
    O Cartão Fnac dá-te 10% desconto imediato sobre o preço de editor, não acumulável com outras promoções.

    Mais Informações O Homem que Matou o Escritor

    Como definiu José Roberto Torero, os contos de Sérgio Rodrigues lembram um sanduichão. "São modernos, ligeiros, breves, mas alimentam, misturam ingredientes inesperados e, principalmente, depois dá vontade de comer, digo, ler outro". Como gênero, O homem que matou o escritor poderia ser considerado um híbrido: policial, metalingüístico, drama, comédia e farsa. Sua lógica interna, no entanto, é rigorosa. Fruto de um exercício narrativo elaborado à perfeição, o resultado é requintado. A narrativa brinca com o leitor, levando-o de um extremo ao outro tão rápido quanto a distância do ponto ao parágrafo seguinte. As rodas dos patins in-line de uma bela mulata brasileira, por exemplo, podem nos levar do mix multicultural de Miami para um excêntrico retiro de macacos artistas aposentados do show business (!). A performance de um típico garanhão carioca pode terminar de forma tragicômica no auge de sua virilidade. E uma velhinha saudosa, quem diria, revela-se uma bandida de estirpe. Além de apresentar-nos situações e figuras sui generis, O homem que matou o escritor ainda instiga com breves citações. Como a um certo Nelson (Rodrigues?) e a uma certa Ana (C César?), personagens que, discretamente, revelam-se ao leitor, emprestando à trama seus estilos contundentes e revelando as fontes nas quais bebeu toda uma geração de novos escritores brasileiros.

    Características detalhadasO Homem que Matou o Escritor

    OUTRAS OBRAS de Sérgio Rodrigues

    OPINIÕES DOS NOSSOS CLIENTES O Homem que Matou o Escritor

    Condições de Utilização