O Rei das Berlengas

    • O Rei das Berlengas_0
    O Rei das Berlengas

    Venda o seu O Rei das Berlengas com apenas alguns cliques,
    em fnac.pt

    1. Vende o teu produto
    2. Um cliente compra o teu produto
    3. Envia o teu produto
    4. Recebe o pagamento
    Passar para conta Pro!
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • 10,90 € 5 €

      Apenas 1 em stock

      Recebe numa morada a partir de 2,50 €

      Em loja

      Levantamento gratuito

      Ver disponibilidade em loja

      Ver todas as opções e detalhes de entrega
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    Resumo O Rei das Berlengas

    As desastrosas tentativas de D. Lucas Telmo de Midões para alcançar, em 1981, a independência das ilhas Berlengas - perdidas há oito séculos, durante as conquistas de D. Afonso Henriques, e várias vezes ensaiada em fases críticas da história de Portugal, embora em vão, por imprevistos e traições de última hora...

    Características detalhadasO Rei das Berlengas

    OUTRAS OBRAS de Mário Viegas

    OPINIÕES DOS NOSSOS CLIENTES O Rei das Berlengas

    Condições de Utilização
    4/5
    • 1
      0
    • 2
      0
    • 3
      0
    • 4
      1
    • 5
      0
    Opiniões Verificadas
    4 Rico filme em edição DVD pobre Publicado em 06 jul 2019

    Ao primeiro visionamento, o filme é uma série de quadros de revista teatral mal colados uns aos outros, de que ressalta a qualidade e versatilidade superiores do malogrado Mário Viegas. Ao segundo visionamento, descobrem-se pérolas de crítica social, política e religiosa, bem como estilhaçar dos mitos sobre a História de Portugal, tal como foi ensinada às crianças dos Anos 50... e mesmo 70 (o filme é de 1978 e nada mudara com o 25A). Financiado pelo Instituto Português do Cinema em 1975 e produzido com o pessoal técnico do seu Núcleo de Produção, o filme demorou tanto na pós-produção e distribuição que o realizador Artur Semedo ainda se pode vingar, metendo nos créditos finais que o filme teve o apoio do "ex-tinto Núcleo de Produção do IPC". Devíamos ver isto na RTP, numa sessão seguida de debate de 3 ou 4 horas, porque matéria para celeumas entre esquerdas e direitas, republicanos e monárquicos, vencidos e autocinvencidos, não lhe falta. O DVD pode permitir fazer essa sessão em casa, com a família e os amigos.


     Este comentário foi útil?

    Ver também