Por Mares Nunca Dantes Navegados

CARNEIRO, GERALDO (Autor) Lançado em janeiro de 2000 Edição em Português
    Por Mares Nunca Dantes Navegados_0
    Por Mares Nunca Dantes Navegados
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento janeiro 2000
      Editor Objectiva
    • ma caravela, uma tormenta, um poeta a caminho das Índias. O século é XVI, mas bastou o vento soprar mais forte para que o mundo virasse de cabeça para baixo e Luís Vaz de Camões viesse parar no Rio de Janeiro, em pleno fim do século XX.
      Poeta e carioca honorário, Geraldo Carneiro é o autor dessa façanha temporal. "Por Mares Nunca Dantes" é um poema épico-burlesco no qual o autor d`Os Lusíadas narra a sua acidentada visita à 'Terra das vergonhas saradinhas'. No Rio, em vez de índios, Camões tropeça a cada esquina com...
      Ver mais

    • Vendido pela FNAC  11,42 €
    • 2 novos Marketplace desde 15,90 €  
    • Todas as ofertas
      • 15,90 € Custos de envio +2,99 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        Liv Lusa Brasil
        (263)
      • 65,71 € Custos de envio +14,99 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        CulturaBrasil
        (3214)
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • Levantamento
      gratuito em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Devoluções
      gratuitas em loja

    Resumo

    ma caravela, uma tormenta, um poeta a caminho das Índias. O século é XVI, mas bastou o vento soprar mais forte para que o mundo virasse de cabeça para baixo e Luís Vaz de Camões viesse parar no Rio de Janeiro, em pleno fim do século XX.
    Poeta e carioca honorário, Geraldo Carneiro é o autor dessa façanha temporal. "Por Mares Nunca Dantes" é um poema épico-burlesco no qual o autor d`Os Lusíadas narra a sua acidentada visita à 'Terra das vergonhas saradinhas'. No Rio, em vez de índios, Camões tropeça a cada esquina com personagens que mais parecem saídos de um sonho - ou de um pesadelo - office-tupinamboys, strip-teasers, travestis, prostitutas, pais-de- santo, executivos e toda uma sorte de gente completamente estranha ao poeta quinhentista.
    Ao longo de 12 cantos, Geraldo vai destilando humor e crítica sobre/a um Rio de Janeiro que está tão longe do bucolismo dos primeiros séculos quanto Camões de freqüentar o cabaré Kalessa. Mas é justamente no famoso inferninho da Praça Mauá que o poeta, na versão de Geraldo Carneiro, se apaixona pela prostituta Aurora Boreal.
    O alento chega ao poeta no Real Gabinete Português de Leitura, onde descobre livros de sua autoria, fato que confirma a previsão do Pai Creuzo Caveirinha, segundo o qual ele se tornaria (ou fora) um grande poeta. Mas não há desconcerto em que uma mandinga poderosa não dê jeito, e o babalorixá de Belford Roxo reverte a mágica do tempo e leva Luís Vaz de volta à sua época.

    Opiniões dos nossos clientes Por Mares Nunca Dantes Navegados

    Sê o primeiro a dar
    a tua opinião sobre este produto

    Dar opinião ✔ A tua opinião foi gravada

    Características detalhadas

    Editor

    Objectiva

    Data de lançamento

    janeiro 2000

    EAN

    978-8573023404

    ISBN

    9788573023404

    Dimensões

    21 x 14 cm

    Nº Páginas

    64

    Encadernação

    Capa mole