Viva México

Alexandra Lucas Coelho (Autor) Lançado em outubro de 2010 Edição em Português
    Viva México_0
    Viva México
    • Resumo
    • Detalhes do artigo
    • Garanties
    • Acessórios incluídos
    • Data de lançamento outubro 2010
      Editor Tinta da China
      Coleção Literatura de Viagens

      Ver todas as características

    • «Não sei nada do México e tenho uma mochila.
      Este Octavio Paz ou aquele Juan Rulfo? Os dois. Poetas mexicanos contemporâneos ou Roberto Bolãno? Poetas mexicanos contemporâneos.
      Uma poeta do mesmo ano que eu: Amanhã é nunca. [...] Ninguém poderá alguma vez dizer que viu a Cidade do México. Quando a começamos ver, calamo-nos, e depois nunca mais acabamos de a ver. Às seis da tarde parece Inverno. Mas não é Inverno, é a estação das chuvas. O Verão começou ontem. O chão brilha.
      Os aztecas celebravam a chuva como um deus....
      Ver mais

    • 1 novo desde 17,61 €  
    • 17,61 €

      Disponível

      Envio com Tracking : 4,44 €

      Envio Contra Assinatura : 4,79 €

      Imosver
      (Vendedor profissional)
      7079 venda(s)
      Estado do produto
      Novo
      País de expedição
      Espanha
      Prazo médio de entrega
      Entre 2 e 3 dias úteis
      Taxa de aceitação
      99,63%

      Comentários do vendedor :

      Envio em 1 a 2 dias úteis - Somos especialistas em vendas on-line e temos mais de 2.000.000 de itens nos nossos armazéns (não são efetuadas remessas para os Açores e a Madeira).

      Todas as ofertas
      • 17,61 € Custos de envio +4,44 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        Imosver
        (7079)
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Devoluções
      gratuitas em loja
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    Descrição Viva México

    «Não sei nada do México e tenho uma mochila.
    Este Octavio Paz ou aquele Juan Rulfo? Os dois. Poetas mexicanos contemporâneos ou Roberto Bolãno? Poetas mexicanos contemporâneos.
    Uma poeta do mesmo ano que eu: Amanhã é nunca. [...] Ninguém poderá alguma vez dizer que viu a Cidade do México. Quando a começamos ver, calamo-nos, e depois nunca mais acabamos de a ver. Às seis da tarde parece Inverno. Mas não é Inverno, é a estação das chuvas. O Verão começou ontem. O chão brilha.
    Os aztecas celebravam a chuva como um deus. Também receberam Cortés como um deus, abrindo os braços ao apocalipse, e por cima do apocalipse o império espanhol ergueu esta cidade. Cinco séculos depois é a mais extensa do mundo. Os mexicanos nem a tratam como cidade. Chamam-lhe D.F. ou simplesmente México.
    Tanta gente junta mete medo. […] Na saída, três barraquinhas de “táxis autorizados” competem pelo preço fixo: o equivalente a dez euros até ao centro. E os residentes mais cautelosos não aconselham a trocar pesos no aeroporto desde que um francês foi seguido e assassinado depois do câmbio. Vinha dar aulas à universidade. A Cidade do México é isto: a partir de agora somos bichos em alerta.»

    Características detalhadasViva México

    OUTRAS OBRAS de Alexandra Lucas Coelho