A Arte de Roubar

D. Dimas Camándula
    A Arte de Roubar_0
    A Arte de Roubar
    • 1 novo desde 95,35 €  
    • 95,35 €

      Disponível

      Envio com Tracking : 14,99 €

      Envio Contra Assinatura : 37,99 €

      CulturaBrasil
      (Vendedor profissional)
      2347 venda(s)
      Estado do produto
      Novo
      País de expedição
      Brasil
      Taxa de aceitação
      98,36%

      Comentários do vendedor :

      Enviado do brasil em 10 - 25 dias uteis (geralmente 10 - 15) - envio normal.Para envio expresso ( 7 - 10 dias) - favor entrar en contato.

      Todas as ofertas
      • 95,35 € Custos de envio +14,99 €
        Disponível
        Novo
        Pro
        CulturaBrasil
        (2347)
    • Satisfeito
      ou reembolsado
    • SPV Fnac
      7 dias por semana
    • Pagamentos
      Seguros
    • Levantamento
      gratuito em loja

    Descrição A Arte de Roubar

    Ean: 9788539303694
    Clássica e sarcástica, esta obra, escrita no século 19 pelo espanhol Pedro Felipe Monlau sob o pseudônimo D. Dimas Camándula, pode atravessar os próximos séculos sem perder uma linha de sua desconcertante atualidade. Afinal, trata de um tema que jamais saiu da berlinda em toda a história e parece revigorar-se a cada dia: a propensão humana ao roubo, que, para o autor, é inata e comum a todos os mortais. Ele provoca: “Que homem não haverá infringido sequer uma vez em sua vida o sétimo mandamento?”. Camándula esclarece, porém, que há duas categorias de ladrões – a de ladrões “normais” e a de ladrões “excepcionais”, informação fundamental para justificar a obra. Dirigido aos ladrões “normais”, os “homens de bem”, o livro apresenta-se como manual prático para ajudá-los a se prevenir da ação malévola do outro grupo. “A primeira de todas as precauções é estar muito atento e lembrar a todo instante de que todos somos ladrões, que a ocasião faz o ladrão”, escreve o autor. Depois de expor suas intenções e situar o ambiente de roubalheira – a vida como um perpétuo combate entre ricos e pobres, entre os que têm e os que não têm -, Camándula passa a descrever toda sorte de roubos, golpes e golpistas, numa infindável galeria de tipos que ainda hoje assombram os ladrões “normais”. Na enorme lista, não faltam os furtos de livros, aqueles que, emprestados a amigos, jamais retornam. Estes, porém, foram elencados entre os “roubos decentes”. Camándula ainda defende o direito autoral, no caso o seu, estampando, antes do prólogo, uma advertência aos que eventualmente pretendessem reproduzir A arte de roubar sem autorização ou pagamento. Na conclusão do livro, porém, ele reproduz um artigo surrupiado. Algumas das citações do prólogo “A destreza é a causa próxima da vigarice.” (La Bruyère “Quem rouba em quadrilha é tão ladrão como quem rouba sozinho, e uma nação que faz uma guerra injusta não passa de uma grande quadrilha.” (Franklin) “Os homens são tão simples que aquele que quer en[...]